Altas habilidades, autismo ou ambos?

altas_habilidades_ou_autismo Em 1938, o pediatra austríaco Hans Asperger fez a primeira apresentação pública sobre autismo da história. Após uma década de trabalho acompanhando cerca de 200 pessoas com um quadro clínico ainda sem descrição na medicina, ele estava pronto para falar a seus colegas sobre essa condição, que denominou Psicopatia Autística. Talvez a maior parte dos médicos e pesquisadores tivesse limitado suas descrições às dificuldades apresentadas por aqueles pacientes, à sua falta de habilidades sociais, aos comportamentos repetitivos e estranhos. Mas Asperger e sua equipe enxergaram além disso tudo. Trabalhando dentro da perspectiva da Heilpädagogik (pedagogia terapêutica), eles haviam presenciado aptidões e talentos notáveis entre seus pacientes. Mesmo entre aqueles que haviam sido banidos do sistema escolar como sendo totalmente incapazes de aprender, havia crianças com memória excepcional, interesses incomuns, elevado poder de observação e desempenho extraordinário em várias áreas do conhecimento e das artes. Em seu discurso de 1938, chegou a perguntar à sua plateia “Quem entre nós não reconhece a caricatura familiar do cientista autista, que, apesar de alheio e desastrado, pode ser capaz de feitos extraordinários em determinada área?”. Na verdade, Asperger sabia que estava diante de uma condição clínica heterogênea, que abrangia “todos os níveis de habilidade, do gênio altamente original, passando pelo excêntrico estranho que vive em um mundo próprio até o indivíduo mais severamente afetado, com distúrbio do contato, comportamento automatizado e deficiência intelectual”. E mais: ele estava convicto de que as qualidades positivas e negativas dessas pessoas eram dois lados da mesma moeda, aspectos necessariamente interligados e vindos de uma mesma origem, que ele acreditava ser genética. Tragicamente, a Segunda Guerra Mundial e uma série de desencontros históricos obscureceram a enorme contribuição deste médico para a área do Transtorno do Espectro Autista. Nem parece justo que seu nome tenha sido associado a apenas um subgrupo de pessoas com a condição complexa que ele conhecia tão bem. Ainda hoje, passados tantos anos desde as primeiras descrições clínicas do TEA, e apesar dos avanços na área, muitas perguntas sobre o funcionamento intelectual no autismo permanecem sem resposta. Em 2015, um estudo realizado na Escócia mostrou que uma variação genética que aumenta o risco para autismo está associada a maior habilidade cognitiva. Talvez seja uma pista para desvendar esse enigma. Afinal, mesmo que a experiência clínica permita inferir que algumas das diferenças do processamento de informações do cérebro autista – a busca por padrões, a sistematização, o hiperfoco, o apego aos detalhes, a memória privilegiada – possam favorecer o aprendizado, ainda assim não explica os casos de habilidades espantosas, como vemos em pessoas como Glenn Gould, Stephen Wiltshire, Daniel Tammet e tantos outros.

Superdotação ou Altas Habilidades

Consideramos como superdotação ou altas habilidades (AH) um desempenho elevado em relação aos pares, de forma isolada ou combinada, em uma ou mais das seguintes áreas: conhecimento acadêmico geral ou específico, capacidade psicomotora, talento artístico, pensamento criativo e liderança. Estima-se que 3,5 a 5% da população mundial apresente AH. Quando as pessoas que apresentam esse desempenho extraordinário também possuem déficits em outras funções (visual, auditiva, motora, transtornos de aprendizagem, e até autismo), chamamos de Dupla Excepcionalidade. É o caso, por exemplo, da criança com autismo leve (ex Síndrome de Asperger) e QI superior. Até o momento, não contamos com estatísticas confiáveis da Dupla Excepcionalidade no Brasil. Ambas as condições (TEA e AH) são subdiagnosticadas em nosso meio.  Além disso, nem sempre os testes utilizados em avaliações da inteligência são adequados para pessoas autistas. Então, muitos dos nossos autistas seguem sem ter suas capacidades reconhecidas e sem o suporte pedagógico que necessitam para seu desenvolvimento pleno.

Diagnóstico

O diagnóstico deve ser feito por mais de um profissional, de preferência médico e neuropsicólogo com experiência na área. A avaliação neuropsicológica inclui testes padronizados que mostram o perfil de habiliaddes da criança em diversas áreas do funcionamento cerebral. Às vezes, em situações em que a criança é autista leve e superdotada (ou seja, tem a dupla excepcionalidade), o profissional pode não perceber os sinais mais sutis do autismo e dar apenas o diagnóstico de AH. E as características do TEA acabam sendo levadas como “excentricidades de superdotado”.  No entanto, o neurotípico com AH não vai apresentar problemas de comunicação (literalidade, falas fora do contexto, dificuldades na linguagem não verbal etc), nem interesses restritos, manias, ritualizações, estereotipias ou alterações sensoriais. Vai ter, no máximo, irritação com a falta de inteligência dos outros e tédio. Ao contrário do que se pensa, a maior parte dos aspies não chega a ser AH. Na minha experiência pessoal como médica, a maioria das crianças com AH são, também, autistas leves/aspergers.

Prognóstico

Ter AH, por si só, não garante o sucesso acadêmico do autista. As alterações de comunicação, de comportamento e sensoriais típicas do autismo podem atrapalhar a vida escolar. Muitas vezes, o aluno com Dupla Excepcionalidade tem dificuldades na compreensão de comandos e enunciados, recusa-se a fazer algumas atividades (cópias escritas, como exemplo muito frequente!), insiste em realizar as atividades do seu jeito e não do jeito que se ensina, desinteressa-se do material apresentado, desenvolve aversão pela sala de aula. Seus apartes curiosos podem ser tomados como arrogância ou desafio à autoridade do professor e sua percepção limitada do contexto social pode torná-lo alvo fácil de brincadeiras de mau gosto, com cicatrizes duradouras. Ao que tudo indica, uma volta ao passado – àquele conceito de pedagogia terapêutica da Viena de antes da guerra – traria grandes benefícios para todos. Enxergar além das aparências, não apenas as dificuldades, mas as potencialidades e os talentos que possam estar escondidos e promover um ambiente em que eles possam aflorar sem medo. Toda vez que avalio um autista com altas habilidades sinto o mesmo misto de espanto e deslumbramento. Pode ser um aspie exibindo seu conhecimento enciclopédico, embora leve a própria família à loucura com sua rigidez de comportamento. Ou um toquinho de 4 anos que só fala em ecolalia e mostra um encantamento e uma facilidade absurda com números e cálculos. Uma adolescente que ainda não domina a escrita, mas faz desenhos absolutamente fantásticos. Ou um pequeno que não interage com nenhum coleguinha da educação infantil, mas lê e escreve com fluência em dois idiomas. O cérebro humano é mesmo extraordinário. A maneira como alguns autistas desafiam nossa rasa lógica neurotípica é só mais uma evidência disso. diagnostico_tdah_asperger_2   Raquel Guimarães del Monde é pediatra e psiquiatra infantil na Clínica Crescer.       Imagem do topo: Shutterstock

  • Cintia Medeiros

    Meu filho Davi, 6 anos, quando iniciou a fala, ele falava em ingles, mas achavamos que era coisa da nossa cabeça, isso quando ele tinha 2 anos. Hoje aos 6 voltou a falar em ingles, nao sei ate onde vai seu nivel de compreensao, mas ele tenta, equando nao sabe o significado de alguma palavra ele a fala em portugues com sotaque. Nao sei o que ele é, ate hoje é autismo leve, mas nunca falaram em asperger, ele tem paixao pro esportes alem do ingles, e alta facilidade para calculos. Mas tudo isso, se souber fazer as perguntas certas, senao ele será uma criança desinteressada

  • Michele da Silva Luiz

    Fantástico este texto! Parabéns e obrigada Doutora Raquel por tanto esclarecimento e aprofundamento no tema.

  • Amanda Paschoal

    Alguém sabe informar se hiperlexia configura como AH?

  • Sonia Maria Benante Goi

    Muito bom, embora não nos dê a chance de compartilhamento.

    • Há várias opções de compartilhamento: basta colar o link no Facebook, no G+ ou no Twitter. 😉

  • Marcelo Dias

    Muito interessante. Sinto que meu filho se enquadra nisso. Aos oito meses identificava letras. Com um ano e dois meses, conhecia o alfabeto e os números. Hoje, aos três, lê e escreve fluentemente, e conhece muitas palavras em muitas línguas, apesar de ser ecolálico e apresentar dificuldades de comunicação.

  • Katia Merschmann

    Muito bom.

  • Andrea

    Meu filho tem 9 anos e se enquadra perfeitamente no duplo diagnóstico. Desde os 3 anos de idade os pareceres falam de Asperger e AH. O foco de interesses vai de técnicas de desenho e pintura ao alfabeto russo e isso num mesmo dia. Faz cálculos complexos de cabeça e sempre se interessa por coisas que o desafiam. Se irrita quando erra e e muito criativo. No entanto, tem manias, ecolalias, isolamento social e ama sequências e padrões. Às vezes é extraordinário, as vezes é difícil. O seu texto trouxe grande alento para os desafios constantes que nos mães de crianças com essas especificidades enfrentamos. Adorei!

  • Teca Pessôa

    Obrigada pelo texto.
    Estou procurando material para passar aos familiares que não nos acompanham as consultas, esse pareceu perfeito. 🙂

  • Miguel Gomes

    Adoraria ter a relação de referências bibliográficas sobre Asperger e da pesquisa da Escócia.
    Grato.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.