Posts by Andrea Werner

Quando seu filho se encontrar com o meu

sobre_crianças_e_diferenças

Quando seu filho se encontrar com o meu na pracinha, explique pra ele que cada criança aprende em seu ritmo. E que o coleguinha ainda está aprendendo a falar. Mas que ele demonstra se está feliz ou triste através dos barulhinhos que faz, do sorriso no rosto ou das rugas na testa, dos pulinhos e das mãos que balançam. E basta prestar atenção que a gente consegue entender muita coisa através desses sinais!

Continue Lendo

De volta ao Brasil: mudanças, aprendizados e surpresas

de_volta_ao_brasil

E, depois de 3 anos morando no exterior, estamos de volta ao Brasil. No total, um ano em Londres e dois em Estocolmo, na Suécia. Uma vida completamente diferente da que levávamos antes. Muito crescimento, muito aprendizado. Morar em um lugar com a cultura completamente diferente da sua te faz desenvolver melhor o “sevirômetro”. Viver onde alguns serviços – como o de jardineiro, empregada doméstica, pedreiro  e encanador – são escassos e extremamente caros, você aprende a por a mão na massa e fazer você mesmo, nem que seja com base em tutoriais encontrados no youtube.

Continue Lendo

10 dicas para mães nos dias difíceis

10_dicas_para_maes_nos_dias_dificeis

Está tendo um dia difícil? Pois aqui vão algumas dicas para situações comuns que mãe e pais de crianças com autismo ou outras deficiências costumam vivenciar!

Continue Lendo

Sobre família, amigos e batalhas

sobre_familia_amigos_batalhas

“-Quem estará nas trincheiras ao teu lado?

-E isso importa?

-Importa mais do que a própria guerra.”

Ernest Hemingway

-“Mãe, preciso contar uma coisa pra vocês. A escola nos entregou um relatório com vários pontos de atenção com relação ao comportamento do Theo. Fomos a um neuropediatra e ele disse que o Theo é autista”, falei ao telefone tentando parecer calma. 

Continue Lendo

Da imprevisibilidade da vida…e do autismo

Depois da tempestade, vem a bonança

Depois da tempestade, vem a bonança

A vida é assim: morde, e depois assopra. Ou será que assopra e depois morde?

Pare pra pensar nos planos que fazia para a sua vida aos 16 anos de idade. Agora, dê uma olhada para a sua situação atual e perceba como, provavelmente, você nunca imaginaria, naquela idade, que estaria como está ou onde está.

Entre escolhas e consequências, vamos ajustando nosso rumo. “Continue a nadar”, sempre. E a vida continua a nos surpreender com o inesperado, o imprevisível. Sim, isso nos angustia. Mas também é uma das coisas que deixam tudo mais interessante no final das contas.

Continue Lendo
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.