Posts by Andrea Werner

Autismo e planos de saúde: saiba os direitos do seu filho

 

O diagnóstico do transtorno do espectro autista é caracterizado por comportamentos estereotipados, dificuldades sociais e na comunicação. Aproximadamente, uma em cada 68 crianças irão receber este diagnóstico, segundo estudo realizado nos EUA e divulgado no ano de 2014 pelo Centro para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Sabe-se que quanto mais cedo for realizado o diagnóstico e o tratamento, maiores são as chances de autonomia e adaptação social.

Continue Lendo

Mamães à obra: o que é e como participar

Voltei para o Brasil em setembro e fiquei impressionada com a quantidade de maridos de amigas que perderam seus empregos. O país vive uma crise, isso é certo.

Sabemos que crianças com deficiências exigem mais atenção, cuidados, e também investimento financeiro. Afinal, nosso sistema público não oferece nem de perto o que nossos filhos necessitam em termos de terapias e intervenções. 

Continue Lendo

Muitos dedos apontados, poucas mãos estendidas

 

Mãe, você é neurótica! Pare de procurar pelo em ovo! É só o tempo dele!

Mãe, essa criança não fala porque você dá tudo na mão dela!

Garanto que isso tudo é falta de estímulo.

Pode ser autismo porque você engordou muito na gravidez. Tomou ácido fólico?

Continue Lendo

10 frases que toda mãe de criança autista já falou

Sabemos que o autismo é um espectro. Mas, com o tempo, a gente acaba percebendo que todos eles têm algumas características em comum. 

Sabemos, também, que a “maternidade atípica”, como bem definiu Mariana Rosa, tem muitas similaridades com a maternidade típica. Então, muitas situações serão compartilhadas por todas as mães.

Tendo dito isso, separei 10 frases com as quais toda mãe de autista vai se identificar. 

Sei que vai aparecer muita mãe aqui dizendo “meu filho não é autista e já falei tudo isso”. Até acredito, mas garanto que não falou com a mesma frequência que as mães de autistas! 😉

Continue Lendo

Crianças que não falam e o jogo da adivinhação

Sentados no sofá, tudo parece em paz. Acabamos de chegar de um passeio até a sorveteria mais próxima e a ideia, agora, é descansar. Ele mexe em seu Ipad e eu vejo TV. 

De repente, seu corpo se contorce e ele começa a fazer “unhappy sounds” (sons de aborrecimento). Era assim que a professora de Londres se referia aos barulhos que o Theo faz quando não está feliz. Pergunto “o que foi, amor?”. Os unhappy sounds vão evoluindo até virarem um princípio de choro. É o início de uma crise, daquelas que vêm com choro e muitas pernas e braços se contorcendo.

Continue Lendo
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.