Poder de mãe (blogagem coletiva)

É madrugada e acordo assustada pela movimentação ao meu lado na cama. Lembro que o Theo fugiu de sua cama para a minha, mais uma vez, e encontra-se ali, ao meu lado, sob as cobertas.

Meu menino dorme de costas pra mim e posso perceber que elas se movem de forma diferente…não é a respiração. Algo estranho acontece ali. São soluços. Bem baixinhos, mas doídos, sofridos, como um choro desesperado que não consegue romper o sono para se fazer ouvir.

Instintivamente, abraço suas costas, acaricio seus bracinhos e falo bem baixinho ao seu ouvido: “mamãe está aqui com você. Mamãe te ama. Foi só um sonho ruim”.

Mas o sonho briga comigo…não quer desistir do menino tão fácil assim. E ele continua a soluçar baixinho. Nesse momento, brigo com o etéreo, o abstrato, com o subconsciente do meu filho para trazê-lo de volta. Aperto um pouco mais meus braços em volta dele, esfrego seu peito repetidamente e falo um pouco mais alto em seu ouvido: “Está tudo bem! Mamãe está aqui com você! Mamãe te ama!”. E sinto seus músculos retesados se relaxarem. Os soluços vão sumindo e dão lugar a um profundo suspiro. Ele volta a dormir tranquilo. Talvez sem sonhos…talvez, entrando em um sonho melhor.

E, enquanto ele mergulha nesse sono tranquilo, me vejo inquieta. Tensa. Perco totalmente o sono. Afundo o nariz naquele cabelinho pra sentir seu cheirinho e seu calor e penso sobre o que pode ter acontecido. Teria eu tirado sua inquietação? Tirado sua tristeza por um sonho ruim? Ou peguei-a para mim em troca de minha própria tranquilidade? Será que as mães têm esse poder?

Pois, se foi isso, valeu a troca. Não me importo de perder o sono para que meu menino durma tranquilo. Não me importo de ter seu pesadelo ruim, absorver seus monstros, para que ele sonhe somente com pipoca, playgrounds e a sensação de seu corpo contra o tapete felpudo da sala.

Queria, eu, poder fazer isso toda a vida. Tirar todas as suas dores e trazê-las pra mim, se necessário. Estar sempre ao seu lado para acalmá-lo, confortá-lo, para que ele se sinta plenamente amado e seguro.

Queria, eu, que ele continuasse pequeno, do tamanho do meu abraço. Mas sei que isso não é possível…os sapatos ficam pequenos, as roupas parecem encolher, até a cama dele, de repente, não parece tão grande assim. Meu menino cresce…

Será que todas as mães sentem essa angústia de vez em quando? Lembro-me da minha própria finitude. Não, não sou eterna. Não estarei acolhendo meu garotinho pra sempre.

O que me resta, então? Preparar meu garotinho para o mundo. E fazer o possível para que o mundo o receba em sua melhor forma…para que o país seja aquele que ele merece.

Usar esse meu “poder de mãe” para absorver o presente ruim e transformá-lo em um futuro melhor para o meu filho. Torcer e lutar para que todas as movimentações recentes sejam realmente transformadoras. Para que os vândalos não roubem os holofotes dos pacíficos. Para que cada um aprenda a ser menos condescendente com as próprias transgressões e corrupções do dia a dia. Para que o amor vença a intolerância. Para que as diferenças sejam aceitas e respeitadas.

Eu estou tentando fazer a minha parte. Se queremos mudar o país, devemos, primeiro, mudar a nós mesmos. Sempre há o que melhorar…sempre há coisas a mudar. Que tal a gente se esforçar?

Por um país melhor para nossos filhos. Por um Brasil que valha a pena. Esse é o meu “protesto materno”!  

protesto materno

 

  • Luciane

    Andréa,

    Você sempre nos encantando com as suas palavras. Obrigada.

    O Théo é um fofo igual a minha Mari. bjs Luciane

  • Roberta menezes

    Querida Andrea,

    Parabéns! Palavras, como sempre, muito bem escritas! Beijos, Roberta, mãe do Heitor (e da Helena e do Zé, esses neurotípicos), conheci vc pessoalmente no curso do Eric em Valinhos.

    • Andréa

      Chará…
      Meu Mathias me faz sentir assim tb… Queria privá-lo de toda e qq dor..
      Andréa

  • Cláudia

    É realmente impressionante como pensam e sentem parecido as mães especiais…eu tenho dois outros filhos, adultos e neurotípicos, além de Gabriel, e confesso que com eles, apesar de amá-los desmedidamente, não me sentia da forma como me sinto hoje.
    Sua postagem reflete exatamente a forma como nós mães nos sentimos com relação ao futuro dos nossos pequenos anjos, reflete as incertezas que nos atormentam. Houve um momento, lá pra trás, onde eu me desesperei quando imaginei o futuro do meu anjo sem mim, quem ia cuidar dele, quem ia compreendê-lo, quem ia advinhar seus pensamentos e vontades, quem ia interpretar suas atitudes para que todos os outros o compreendessem, quem?? Quem respondeu todas essas questões foi ele mesmo, o meu Gabriel. Com sua capacidade de aprender, de apreender, de superação…e vem me mostrando todos os dias o quanto ele pode caminhar com seus próprios pés, basta que a estrada esteja preparada para ele, para a forma como ele pode percorrê-la.
    Ler seus textos nos dá a tranquilidade de nos sabermos acompanhadas por uma legião de mães que vivem as mesmas angustias e tristezas, e mais que isso, as maiores alegrias por termos a oportunidade de conviver todos os dias com seres tão especiais com nossos filhos.
    Bom final de semana e um bom futuro para o nosso País!!

  • Nana Vasconcelos

    Q lindo…belas palavras..

  • Deusimar

    Estamos juntas em todas as angústias de mãe! Meus pequenos já cresceram, mas continuo me pegando querendo tirar-lhes as dores e sofrimentos de ser”gente grande”. Meu filho mais velho já é pai de um lindo anjo azul, e igualmente sofro por querer o mundo abrindo seus braços para ele!! Gostaria de lhes tirar o pesadelo, as tristezas comuns de adolescentes, mas a esta altura já cresceram e tomam seus rumos! O mais novo está engajado no momento atual e vai pras ruas lotadas se juntar ao pensamento de um país melhor! Vou junto! As vezes com medo! Mas estamos juntos pra melhorar nosso país! Para meus netos!! E os seus, e os de outras tantas que querem e precisam de um país melhor!! Estamos e continuaremos juntas!!! Mil bjs em seu anjo azul pq quando estou perto do meu neto é assim que faço!!!

  • Daniella Carlos Meira

    Para um belo dia cheio de esperanças, cheio de muita paz! Esse lindo texto nos conforta, nos acalma, se faz certeza que não estamos sozinhas! Bjs para vcs! Que essas lindas crianças tenham sempre a doçura ao seu redor!

  • Michela Harinck

    Ai amiga, que texto lindo cheio de amor. Olhe quando vc diz: “..Queria, eu, que ele continuasse pequeno, do tamanho do meu abraço. Mas sei que isso não é possível…os sapatos ficam pequenos, as roupas parecem encolher, até a cama dele, de repente, não parece tão grande assim. Meu menino cresce…” me sinto como voce, hoje eu tomei um susto com o tamanho da minha Cami. Tao grande e ao mesmo tempo tao indefesa. E como se eu tivesse dormido esses quase sete anos dela e acordasse com essa menina alta e linda me chamando de “mama” com aquela voz tao meiga.
    To tranquila pq to fazendo a minha parte tambem em passar pra ela a tranquilidade que ela necessitar para crescer e ficar uma menina sorridente sempre.
    Doida pra te recebe aqui mana, vem logo ta?! beijos

  • Emocionante Andrea! Belíssimo texto. Que nosso Brasil mude! Que o mundo mude. Beijos em vocês!

    Meu #protestomaterno http://www.bichomae.com/2013/06/e-preciso-lutar-por-um-brasil-melhor.html

  • Juliana

    Lindo texto! Eu sou daquelas positivas e acredito num Brasil melhor.
    Quando vem pensamentos ruins e fico deprimida eu lembro da aeromoça dizendo: coloque a máscara primeiro em você e só depois ajude quem está ao seu lado, e penso que se eu não cuidar de mim, se não for forte como vou querer que ele seja? é como diz a mãe da Milena a auto-regulação vem de nós…
    Mas enfim, que isso tudo que está acontecendo nas ruas sirva pelo menos para o povo ser mais consciente na hora de votar!
    Grande beijo!

  • Recentemente participando desse blog, confesso que fico ansiosa para ver se tem novidade por aqui todos os dias…de alguma forma me sinto melhor, é reconfortante ler as experiências de vcs. Obrigada!

  • Adriana

    Fico pensando se vc se emociona enquanto escreve, porque a gente sempre se emociona quando lê! Lindo!

  • Que bonito isso, Andréa. Precisamos mesmo preparar nossos filho para serem pessoas melhores nesse mundo virado de ponta cabeça.
    Tbm quero participar!
    Um abraço.

  • Haydée

    Andrea, querida. Lindas palvras. E universais também. As mães, somos assim. Queremos tomar sobre nossos ombros toda a carga que possa causar dano aos nossos filhos. Qualquer filho, diga-se de passagem. O difícil é aprender a deixar que eles se arranhem ao longo dos caminhos da vida. Dói mais em nós do que em nossas crias. E é assim que as mães crescem, sabe? Crescer sempre é um processo que envolve dor. Parafraseando o grande Caetano, crescer implica em dor e delícia. Um beijo, amiga, tenho certeza que seu eforço vai proporcionar ao lindo Theo dos olhos grandes um mundo mais suave.

  • Adriana

    Lindas palavras!!! 🙂

  • Jisleine Moreira Bernardo Barbosa

    lindas palavras, que o MUNDO mude !

  • viviane t belchior r de souza

    xiii, como sempre…chorei. Tudo bem assim. Acho que tenho esse poder também. Faço de tudo para aliviar a dor de meus filhotes…Você é demais, Andrea. Obrigada, mais uma vez por suas belas palavras.

  • Priscila Lima

    Fiquei emocionada com suas belas palavras, você traduziu tudo o que nós mães sentimos e queremos para os nossos filhos…eu sou Priscila mãe do Vinicius! bjos

  • QUE BONITA MENSAGEM ANDREA,SOU MÃE DE ARTUR DE 4 ANOS QUE E AUTISTA .E SINTO PELO MEU FILHO A MESMA COISAS QUE VOCÊ SENTE PELO THEO ,TE ADMIRO MUITO UM GRANDE ABRAÇO.

  • Beatriz Arantes

    Lindo texto, emocionante e inspirador!

  • Jane Lima

    Lindo..como se vc falasse td o que eu tbm sinto…emocionante!!!

  • Aline

    Sem palavras definiu tudo o que sinto !

  • Leila

    Poxa Andréa ! Nunca consigo ler o que vc escreve. Choro sempre.
    Não te conheço mas é como se fosse. Já sinto um enorme carinho pelo Theo. Que ele tenha uma vida muito feliz e viva num mundo melhor que o nosso hoje. bjos

  • Roberta EVangelista

    Andrea, deve ser possível tomar todas as dores dele para nós.
    Quando soube da alergia ao leite de vaca de meu filho, conforme ele foi melhorando, fui me vendo adoecer. Tomara leite sentia cólicas, passei a recusar diversos alimentos e hoje quem vive com diarreia sou eu. Meu problema é diferente da alergia, mas posso imaginar o que meu filho sentia qdo tinha reações alérgicas.
    Quase todas as noites somos acordados com esse choro, esse soluço. Algumas vezes um afago mais apertado resolve.
    Outras, duram 1 hora, 40 minutos, nunca sei. Sei que é desesperador não saber oque é e fazer de tudo para emanar passar.
    Felizmente tenho a ajuda do pai, somos uma dupla.
    Estamos juntas sempre, nos mesmos anseios, nas mesmas lutas.
    Meu sonho é ter meu filho saudável com o mínimo de independência para poder descansar em paz e enquanto isso não possível, irei lutar com unhas de dentes por sua dignidade.
    Beijos Andrea!! Força sempre!!

  • Agora que estou conseguindo passar e ler os textos (alguns pelo menos, pq foram mais de 170). Lindo! Me emocionei e enchi o olho d’água com seu relato! Um Brasil que nos aceite,acolha e proteja do jeitinho que nós somos! Bjos em vc e no Theozão!

  • sonia

    Lindo! Sou desse jeito! beijos.

  • Aline

    Parabéns nós mães de autistas temos de matar um dragão por dia.. só nós sabemos o quanto é duro essa luta diária. Esse texto me emocionou parabéns. Tenho certeza de que nossos anjos azuis nossos príncipes evoluirão mais e mais a cada dia.

  • Monica

    Belas palavras Andrea! Realmente emocionantes! Vontade de acordar agora meu pequeno e dormir abraçada com ele!

  • renata vieira santos

    Só quem passa por isso entende essas palavras.Beijos

  • Anelise Oliveira Torres Valle

    Parabéns Andréa. Você faz a diferença. Que Deus sempre te ilumine.

  • celia

    Eu também tenho medo do meu filho crescer, pois ele tem sindrome do x fragil, e precisa de mim, eu queria ser forte e otimista como vc. Parabéns, Célia.

  • tatiana morello borgo

    Oi Andreia ,meu nome é Tatiana sou pediatra e meu filho Benicio foi diagnosticado no espectro autista .Ele tem 2anos e 9 meses. É um garotinho fofo,daqueles que todos se apaixonam.

  • Lu Andrade

    Que lindo Andréa!!!
    Estou encantada com seu blog!!!! não quero para de lê.
    Se possível depois quero trocar informações com vc.

  • fabiola costa mattos

    Oi Andréa, meu nome é Fabiola e tenho uma filha Maria Eduarda que aos 3 aninhos foi diagnosticado no espectro autista, hoje ela tem 7 anos e estuda numa escola normal. Estou com uma duvida, na sala da minha filha tem 31 criança,existe alguma lei que especifique a quantidade de crianças? se tiver me responda beijos meus e duda para o théo.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.